Em meio a contas favoráveis ao presidente Michel Temer sobre a votação da denúncia contra ele na Câmara dos Deputados, no próximo dia 2, a equipe econômica vai anunciar, hoje, um aumento das alíquotas de PIS/Cofins sobre combustíveis. Os preços de gasolina, etanol e diesel teriam alíquotas diferenciadas. A medida tem por objetivo reforçar os cofres públicos e evitar um aperto adicional no Orçamento. Um dos argumentos para o aumento de tributos será o déficit da Previdência, estimado em mais de R$ 180 bilhões para este ano.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou a mudança no PIS/Cofins. Segundo integrantes do governo, o quadro fiscal está tão sério que chegouse a cogitar elevar a Cide (que incide sobre os combustíveis) e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), além de outros tributos. Isso, no entanto, acabou sendo descartado, ao menos temporariamente. A ideia, agora, é recorrer a receitas que não são tributárias, como taxas — mas a fonte não especificou que taxas seriam essas. A gravidade da situação das contas públicas ficará mais clara hoje, quando o governo publicará o relatório bimestral de receitas e despesas do 3º bimestre.