Em diferentes conversas mantidas no último domingo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, tratou a queda do presidente Michel Temer como irreversível, destaca a Folha (A4). Em jantar com pizza e sopa na residência oficial, Maia reproduziu a parlamentares, em tom sóbrio, um diagnóstico que disse ter feito, pouco antes, ao próprio Temer, no Palácio do Jaburu.

Maia disse ao presidente que ele poderá sobreviver à primeira denúncia, mas irá sucumbir quando o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar uma segunda denúncia contra o presidente.

Após a conversa com Temer, Maia participou de almoço na casa do vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet, no Lago Sul. Acompanhado por cinco políticos, Maia só deixou a casa por volta das 19h15, após cerca de cinco horas.

Presente, o deputado Heráclito Fortes disse que o encontro estava “marcado há mais de um mês” e que “não teve nada de conspiração”. “As pessoas estão vendo coisas onde não existe. Maia tem sido muito correto”, afirmou o parlamentar.

À sua casa, em seguida, Maia convidou outros políticos e os ministros Moreira Franco e Antonio Imbassahy. O presidente da Câmara não quis comentar o conteúdo da reportagem da Folha.