As grandes conquistas da classe trabalhadora foram, ao longo dos anos, resultados da forte mobilização da classe trabalhadora, da luta coletiva em defesa dos salários, dos empregos, por melhores condições nos locais de trabalho, por direitos e, acima de tudo, por respeito e dignidade.

A intenção arbitrária do governo, de mascarar os erros cometidos na condução da política econômica do País à custa da retirada de direitos, fomentando, por meio das propostas de reformas previdenciária e trabalhista, a explosão do desemprego, a insolvência de empresas, a queda do comércio, o declínio da produção, do consumo e o sucateamento gradual da Previdência, não pode avançar, sob a pena do desamparo total da classe trabalhadora.

A Força Sindical e as demais centrais, ante o quadro caótico que se avizinha caso as propostas sejam aprovadas originalmente, decidiram, em unidade de ação, que o dia 28 de abril de 2017 será o “Dia Nacional de Paralisações, Atos e Greves”, que cobrirá todo o País com atos pacíficos e democráticos de protesto, paralisações e greves contra a arbitrariedade do governo e a complacência de parlamentares da base governista.

Nesse dia, vamos escrever a história, e você, trabalhador(a), é peça-chave para o sucesso da nossa obra. Nesse dia trens, ônibus e metrô vão parar, indústrias e comércio vão baixar portas, escolas não funcionarão e bancos, entre outros serviços, estarão fechados. Sair de casa, só para externar o nosso repúdio com mais esta tentativa de punhalada nas nossas costas.

Chega de ser coadjuvantes! No dia 28, temos de ser protagonistas deste drama e mostrar que unidos somos fortes, e que não será uma “canetada articulada” que vai botar tudo a perder. Queremos emprego decente, salários e aposentadorias dignas. Queremos continuar construindo o Brasil que almejamos para os nossos filhos e netos, e só nossa união e mobilização vão fazer com que alcancemos nossos objetivos.

No dia 28, um NÃO estrondoso às propostas de reformas do governo. Todos às ruas por um Brasil melhor, mais justo e igualitário!

João Carlos Gonçalves – Juruna
Secretário-geral da Força Sindical e vice-presidente dos Metalúrgicos de São Paulo